Enquete
De qual denominação você faz parte?
Igreja Cristã Maranata
Outras Evangélicas
Adventismo
Testemunhas de Jeová
Catolicismo
Ver Resultados

ONLINE
6


Partilhe este Site...


 Av. 22 de Abril, 337. B. Bela Vista / Santa Cruz do Capibaribe - PE




L e i a  a  B í b l i a




Contador de visitas por Pais desde 12/08/2014

Mais detalhes...

Acessos por País

Páginas Ativas


Contador de Visitas desde a criação do site: Dez/2012 


As Pedras de Mó.
As Pedras de Mó.

Deuteronômio 24: 6 – “Não se tomarão em penhor as mós ambas, nem mesmo a mó de cima, pois se penhoraria assim a vida”.

INTRODUÇÃO – Na Palestina e países vizinhos, o moinho era uma máquina simples, porém indispensável. Era formada por duas pedras redondas sobrepostas, geralmente feitas de basalto. A pedra inferior era ligeiramente convexa e armada com um pino no centro, que servia de eixo para que a pedra de cima girasse sobre ela. A pedra que ficava em cima era côncava pelo lado de baixo, formando uma caixa com a pedra inferior e tinha uma abertura circular no centro, por onde se despejavam os grãos e onde entrava o pino da pedra inferior. Perto da circunferência existia uma manivela de madeira que servia para faze-la girar com a mão. A farinha saía pela circunferência da pedra inferior e era recolhida por uma vasilha apropriada. Com a farinha se podia fazer pães e bolos, que eram alimentos básicos das famílias. Todo lar na Palestina possuía o seu próprio moinho e o seu sustento dependia diretamente dele, por isso as pedras de mós não poderiam ser penhoradas em hipótese alguma, pois esta atitude colocaria em risco a própria vida daquela família. Nem ainda a mó de cima poderia ser penhorada, pois o moinho só funcionava com as duas pedras juntas, e na falta de uma delas não havia a produção da farinha e do alimento.

1.         A Pedra de Mó de Baixo – Tipifica a Revelação do Senhor Jesus no Velho Testamento através da Lei e dos Profetas. Era a parte fixa do moinho, apontando para o caráter imutável da Lei (Mt 5: 17); para sua condição de base da revelação que seria dada mais tarde pelo Espírito Santo(Heb 8: 5). Era o fundamento dos Apóstolos e Profetas (Ef 2: 20). A mó de baixo sozinha não tinha função, ela precisava da mó de cima (Heb 7: 19).

2.         A Pedra de Mó de Cima – Tipifica a Revelação do Senhor Jesus no Novo Testamento, a dispensação da Graça revelada pelo Espírito Santo. Era a parte móvel do moinho, indicando a dinâmica da graça e da Obra de Jesus para todos os povos (At 17: 3 e Rom 4: 16). A mó de cima com sua função rotativa era quem produzia a farinha usada como alimento. Foi através da graça que alcançamos a revelação que nos alimenta e vivifica (Rom 5: 1, 2).

3.         A Manivela de Madeira – Tipifica o homem que é chamado para participar da graça de Deus e nela é introduzido (Rom 5: 2). Para ser usada a manivela tinha que estar bem firme e aprumada na mó. Se estivesse inclinada ou frouxa, poderia quebrar, e neste caso, tinha que ser substituída por outra. O homem para ser usado na Obra precisa estar firme, definido e de pé diante do Senhor (Col 2: 6, 7), se ele falhar será removido, pois o homem é substituível (At 1: 23-26). Muitas vezes a manivela se desgastava na parte que ficava dentro da mó, que não era visível, e neste caso precisava ser trocada por outra. Os problemas do homem, seu desgaste e envelhecimento espiritual, começam no coração e na mente (Pv 4: 23).

4.         A Mão que realiza o trabalho – Fala dos ministérios na vida do homem, é aquilo que o Senhor lhe concede para que possa realizar sua Obra (Ef 4: 11, 12). A força que faz girar a mó é o Poder de Deus nos ministérios, que põe ritmo à Obra. Quanto mais poder, mais dinâmica a Obra será e maior a quantidade de alimento produzido (II Co 3: 5, 6). A mão só poderia girar a mó numa direção e os ministérios só podem atuar na direção do Espírito Santo (At 16: 6). A mão não poderia apertar demais a manivela, pois se feriria e encheria de calos. Também não poderia afrouxar demais, pois assim o trabalho não seria realizado. O ministério precisa realizar a Obra com equilíbrio e temperança, isto é, com sabedoria (II Tim 2: 15).

5.         A Semente – É a Palavra de Deus. Não se come semente com casca e sim moída. A Palavra na letra não alimenta nossa vida espiritual, mas a revelação nos transforma e nos dá vida (II Co 3: 6). As pedras de mó não funcionavam sem a semente, pois travavam nas ranhuras internas. Sem o conhecimento da Palavra não há revelação e a Obra se torna estática (II Tim 4: 13, 15, 16). A semente é uma fonte de energia para os que se alimentam dela, da mesma forma a Palavra de Deus alimenta e fortalece nossa vida espiritual (Mt 4: 4).

6.         O Moer a Semente – É o buscar a revelação, é o meditar diariamente na Palavra em busca do alimento, da revelação (Sl 119: 97). A ausência do barulho das mós nas casas era sinal de desolação e morte (Ecl 12: 3; Jer 25: 10 e Ap 18: 22). Importa na nossa vida nunca parar de moer a semente, isto é, de meditar na Palavra. Se isso acontecer, é sinal de decadência e enfraquecimento espiritual.

7.         CONCLUSÃO – A revelação do Senhor Jesus no nosso coração é a razão da nossa vida. É através de sua Palavra revelada pelo Espírito Santo que alcançamos a vida e o crescimento espiritual, quando nos alimentamos dela. O Senhor nos chamou do mundo, do pecado e das religiões para participarmos de todas estas bênçãos e nós não podemos permitir que ninguém a tome de nós, nem tampouco podemos trocar tudo isso por coisas deste mundo (política, prazeres, coisas materiais, etc.), pois assim estaríamos penhorando a vida, a salvação e a eternidade (Luc 17: 2). As coisas deste mundo são passageiras, mas a Obra do Senhor é eterna (I Jo 2: 17).

PENHORAR = Dar em garantia

PENHORA = Execução judicial do penhor

 


Select the language know

A Web TV com sua plataforma

digital transmitem os cultos de

Quarta, Sábado e Domingo

(EDB e às 19:30h).


 

 

topo