Atenção: Informamos aos irmãos (a) que este site não é Oficial do Presbitério Espirito Santense.


Enquete
De qual denominação você faz parte?
Igreja Cristã Maranata
Outras Evangélicas
Adventismo
Testemunhas de Jeová
Catolicismo
Ver Resultados



 Av. 22 de Abril, 337. B. Bela Vista / Santa Cruz do Capibaribe - PE


JESUS VEM, VEM, VEM!!!

O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve, diga: Vem! Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida. Apocalipse 22:17




L e i a  a  B í b l i a





 Contador de Visitas desde a criação do site: Dez/2012 


As Pedras de Mó.

Deuteronômio 24: 6 – “Não se tomarão em penhor as mós ambas, nem mesmo a mó de cima, pois se penhoraria assim a vida”.

INTRODUÇÃO – Na Palestina e países vizinhos, o moinho era uma máquina simples, porém indispensável. Era formada por duas pedras redondas sobrepostas, geralmente feitas de basalto. A pedra inferior era ligeiramente convexa e armada com um pino no centro, que servia de eixo para que a pedra de cima girasse sobre ela. A pedra que ficava em cima era côncava pelo lado de baixo, formando uma caixa com a pedra inferior e tinha uma abertura circular no centro, por onde se despejavam os grãos e onde entrava o pino da pedra inferior. Perto da circunferência existia uma manivela de madeira que servia para faze-la girar com a mão. A farinha saía pela circunferência da pedra inferior e era recolhida por uma vasilha apropriada. Com a farinha se podia fazer pães e bolos, que eram alimentos básicos das famílias. Todo lar na Palestina possuía o seu próprio moinho e o seu sustento dependia diretamente dele, por isso as pedras de mós não poderiam ser penhoradas em hipótese alguma, pois esta atitude colocaria em risco a própria vida daquela família. Nem ainda a mó de cima poderia ser penhorada, pois o moinho só funcionava com as duas pedras juntas, e na falta de uma delas não havia a produção da farinha e do alimento.

1.         A Pedra de Mó de Baixo – Tipifica a Revelação do Senhor Jesus no Velho Testamento através da Lei e dos Profetas. Era a parte fixa do moinho, apontando para o caráter imutável da Lei (Mt 5: 17); para sua condição de base da revelação que seria dada mais tarde pelo Espírito Santo(Heb 8: 5). Era o fundamento dos Apóstolos e Profetas (Ef 2: 20). A mó de baixo sozinha não tinha função, ela precisava da mó de cima (Heb 7: 19).

2.         A Pedra de Mó de Cima – Tipifica a Revelação do Senhor Jesus no Novo Testamento, a dispensação da Graça revelada pelo Espírito Santo. Era a parte móvel do moinho, indicando a dinâmica da graça e da Obra de Jesus para todos os povos (At 17: 3 e Rom 4: 16). A mó de cima com sua função rotativa era quem produzia a farinha usada como alimento. Foi através da graça que alcançamos a revelação que nos alimenta e vivifica (Rom 5: 1, 2).

3.         A Manivela de Madeira – Tipifica o homem que é chamado para participar da graça de Deus e nela é introduzido (Rom 5: 2). Para ser usada a manivela tinha que estar bem firme e aprumada na mó. Se estivesse inclinada ou frouxa, poderia quebrar, e neste caso, tinha que ser substituída por outra. O homem para ser usado na Obra precisa estar firme, definido e de pé diante do Senhor (Col 2: 6, 7), se ele falhar será removido, pois o homem é substituível (At 1: 23-26). Muitas vezes a manivela se desgastava na parte que ficava dentro da mó, que não era visível, e neste caso precisava ser trocada por outra. Os problemas do homem, seu desgaste e envelhecimento espiritual, começam no coração e na mente (Pv 4: 23).

4.         A Mão que realiza o trabalho – Fala dos ministérios na vida do homem, é aquilo que o Senhor lhe concede para que possa realizar sua Obra (Ef 4: 11, 12). A força que faz girar a mó é o Poder de Deus nos ministérios, que põe ritmo à Obra. Quanto mais poder, mais dinâmica a Obra será e maior a quantidade de alimento produzido (II Co 3: 5, 6). A mão só poderia girar a mó numa direção e os ministérios só podem atuar na direção do Espírito Santo (At 16: 6). A mão não poderia apertar demais a manivela, pois se feriria e encheria de calos. Também não poderia afrouxar demais, pois assim o trabalho não seria realizado. O ministério precisa realizar a Obra com equilíbrio e temperança, isto é, com sabedoria (II Tim 2: 15).

5.         A Semente – É a Palavra de Deus. Não se come semente com casca e sim moída. A Palavra na letra não alimenta nossa vida espiritual, mas a revelação nos transforma e nos dá vida (II Co 3: 6). As pedras de mó não funcionavam sem a semente, pois travavam nas ranhuras internas. Sem o conhecimento da Palavra não há revelação e a Obra se torna estática (II Tim 4: 13, 15, 16). A semente é uma fonte de energia para os que se alimentam dela, da mesma forma a Palavra de Deus alimenta e fortalece nossa vida espiritual (Mt 4: 4).

6.         O Moer a Semente – É o buscar a revelação, é o meditar diariamente na Palavra em busca do alimento, da revelação (Sl 119: 97). A ausência do barulho das mós nas casas era sinal de desolação e morte (Ecl 12: 3; Jer 25: 10 e Ap 18: 22). Importa na nossa vida nunca parar de moer a semente, isto é, de meditar na Palavra. Se isso acontecer, é sinal de decadência e enfraquecimento espiritual.

7.         CONCLUSÃO – A revelação do Senhor Jesus no nosso coração é a razão da nossa vida. É através de sua Palavra revelada pelo Espírito Santo que alcançamos a vida e o crescimento espiritual, quando nos alimentamos dela. O Senhor nos chamou do mundo, do pecado e das religiões para participarmos de todas estas bênçãos e nós não podemos permitir que ninguém a tome de nós, nem tampouco podemos trocar tudo isso por coisas deste mundo (política, prazeres, coisas materiais, etc.), pois assim estaríamos penhorando a vida, a salvação e a eternidade (Luc 17: 2). As coisas deste mundo são passageiras, mas a Obra do Senhor é eterna (I Jo 2: 17).

PENHORAR = Dar em garantia

PENHORA = Execução judicial do penhor

 



A Web TV com sua plataforma

digital transmitem os cultos de

Quarta, Sábado e Domingo

(EDB e às 19:30h).










 Conheça os nossos

Parceiros